[TALITHA]

Nasceu no dia 19 de setembro.
Sua irmã em 19 de fevereiro, o irmão em 19 de maio e o pai de todos eles em 19 de julho.
Cabalisticamente ou não, certo é que estamos todos aqui num ano de final 19, número tão presente na vida de Talitha.

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-29.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-25.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-26.jpg

Não é só quando ela cozinha que imprime seu jeito exótico de ser.
Menina que gosta de rir alto, digamos que muitoooo alto e que quando abraça alguém, sua força é elevada a potência com calda extra plus master de algo a mais.

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-30.jpg

VIVER...foi isso que ela passou a fazer desde que abriu o “Ceiça”.
Mais ou menos como se “Je ne regrette de rien” tivesse sido composta por ela e em homenagem à dama que tão delicadamente a pariu.

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-32.jpg

Seu grito de liberdade foi se livrar das duras fardas da cozinha e substituir seu cabelão por turbantes estampados & coloridos.
Sendo assim, torna-se sempre conectada à sua feminilidade enquanto esquenta literalmente a barriga no fogão com o maior prazer do mundo!

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-11.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-7.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-4.jpg

E por falar nela, na tal natureza feminina, isso também se fez mais claro e confortável diante dos seus olhos e de sua alma, bem ali atrás do balcão de fórmica verde, que é tão de todos e em frente ao tal fogão, que é tão dela.

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-5.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-20.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-17.jpg

Lembrando que, somente as fêmeas têm pistilo!
Delicada sutileza & estimulante poder que juntos dançam harmonicamente no mistério deste universo tão complexo.
“A feminilidade pulveriza e fecunda. Voa. Vira mel, uma doce poesia da natureza.”

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-13.jpg

Tão dura na queda e tão suave no trato; força e delicadeza fizeram as pazes ali mesmo no balcão turquesa ao som dos seus poderosos e disponíveis discos.

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-67.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-71.jpg

Freneticamente hilária, quase louca e sem noção, poderia ter sido figura importante no filme Black Cat, White Cat dirigido pelo genial Emir Kusturica.

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-69.jpg

Arrogância:
“Tenho, não nego
Uso quando puder.”

Loucura:
“Sempre comigo.”

Fidelidade:
“Não é exclusividade.”

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-73.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-74.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-77.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-79.jpg

Fica ainda na memória a sofisticada textura da borda fina da taça de cristal que sentiu entre seus lábios aos 8 anos de idade.
Tal sensação a fez perceber uma fofura profunda no coração, tão profunda que a quebrou numa mordida só entre os dentes, matando a mãe de vergonha e todos os outros de preocupação.

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-41.jpg

“És láctea estrela
És mãe da realeza
És tudo enfim que tem de belo
Em todo resplendor da Santa Natureza.”
Rosa – Pixinguinha
*a música que cantou para sua avó quando ela partiu para um universo além e gracioso como ela.

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-42.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-37.jpg

Não acredita que as pessoas tenham defeitos e diariamente é inspirada pela natureza de Deus e pela competência humana.
Para ela o amor existe e está por todos os lados.
"O que esqueci para trás, atrás está!"

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-61.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-59.jpg
2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-60.jpg

Com o nostálgico cheiro do refogado da Vó Nita na ponta do nariz, foi em frente e avante. 
Como se não houvesse amanhã e nem daqui a pouco, ela troca o disco, quebra o ovo, sorri e segue para uma feira perto de você.

2018-11-18-THALITA-ADRIANA-BARRA-46.jpg
Isabella Barbosa